fbpx
(Texto adaptado de Dra. Karen Becker)
Cães podem se estressar por uma variável enorme de razões. Por exemplo, cães na guia normalmente sentem-se mais desconfortáveis quando encontram outros cães – principalmente se esses outros cães estão sem guia. Porém, o que muitas pessoas não sabem é como os nossos comportamentos podem estressar, de forma significativa, um cão. 
1. Puni-lo por se comportar como um cão
Cães são seres oportunistas e, quando lhes é dada a oportunidade, eles tiram proveito! Traduzindo: não deixe comida à mostra e de fácil acesso, porque eles vão mexer mesmo. Esse é um comportamento natural dos cães!
Não o deixe em um ambiente fechado, sozinho, com seus sapatos ou meias. É um comportamento natural dos cães querer roê-los!
2. Dizer NÃO toda hora.
Se o seu cão está fazendo algo errado, dizer NÃO em tom forte provavelmente interromperá o “mau ato” naquele momento. Dizer NÃO sem oferecer uma alternativa, apenas cessará o comportamento naquele instante, sem necessariamente ensinar ao cão o que é apropriado. 
A menos que você ensine-o sobre o que fazer, em vez de o que não fazer, a probabilidade de ele repetir o comportamento é altíssima. E, à medida que o tempo passa, a tendência é que ele pare de atender ao NÃO.
3. Dar vários comandos verbais para um único comportamento.
Muitos tutores assumem que os cães entendem perfeitamente o português e usam várias palavras diferentes esperando que eles respondam igualmente a todas elas. Exemplo: vem, vamos, anda logo, corre, sai, aqui, etc. quando o que você quer é apenas que seu cão venha até você.
Treine seu cão a obedecer uma única palavra para aquele comando, amigo! Então, use apenas essa palavra para se comunicar. De outra forma, você estará criando um estresse totalmente desnecessário entre vocês dois.
Exemplos de comandos adequados, porque são palavras simples (não compostas e curtas): senta, deita, fica, vem, rola.
4. Não fazer treinos de relaxamento
Ensine seu cão a relaxar sob comando e use esse treino em situações em que você o perceba estressado. Por exemplo: dentro do carro, em ambientes desconhecidos, na visita ao vet, etc.
5. Dar trancos na guia
Um cão que foi educado a andar na guia não traciona. Dar trancos na guia, para se comunicar de forma repreensiva com o cão enquanto o passeio, não ajuda! Em vez disso, treine-o a caminhar de forma educada (contrate um educador canino positivo se for necessário) e torne o passeio um momento agradável para vocês dois.
6. Abraçar o cão
Pela sua infinita generosidade, a maioria dos cães aceita passivamente essa demonstração de afeto humano. Mas, definitivamente, não se sentem confortáveis. Abraçar é uma típica demonstração de afeto da ordem dos primatas (macacos, símios, lêmures e seres humanos). Canídeos demonstram (e entendem) manifestações de afeto lambendo-se entre si!
7. Encarar o cão
Na linguagem canina, encarar é uma forma de desafiar o cão – um sinal contrário ao de apaziguamento. (falamos sobre isso aqui e aqui)
8. Apontar o dedo na cara do cão
Outro indutor de estresse na linguagem canina e uma ótima forma de pedir por uma mordida!
9. Levantar o cão
A menos que seja inevitável e necessário, evite carregar um cão. Ser balançado de um lado para o outro é estressante, inclusive para nós!
10. Não passear diariamente
O passeio de qualidade é o maior anti-estresse para os cães. Nunca o prive do passeio diário!

Receba nossos posts por e-mail:

Delivered by FeedBurner

https://www.facebook.com/seubuldoguefrances/ https://www.instagram.com/seubuldoguefrances/

 

SAIBA TUDO SOBRE OS BULDOGUES FRANCESES!

Clique na imagem e baixe o seu Manual.

 

Receba novidades e conteúdos exclusivos!

QUERO SER VIP

Quer participar do nosso grupo VIP? Cadastre-se!

NÓS APOIAMOS

CAMILLI CHAMONE

Pós-graduada em Genética e Biologia Molecular. Foi professora universitária federal de Biologia Celular e Genética. Criou buldogues franceses. Foi membro efetivo do Conselho Disciplinar do Kennel Clube de Belo Horizonte. Foi Diretora da Federação Mineira de Cinofilia. É editora do "Seu Buldogue Francês", o maior blog do mundo sobre buldogues franceses, e de todas as mídias sociais que levam esse nome. É palestrante e consultora sobre bem-estar e comportamento canino. Além disso tudo, é perdida e irremediavelmente apaixonada por frenchies.

SIGA O SEU BULDOGUE FRANCÊS NAS REDES SOCIAIS

E-mail

seubuldoguefrances@gmail.com

POSTS DO INSTAGRAM

Pin It on Pinterest

Share This