fbpx

Entretanto, por ironia do destino,  precisei auxiliar em um parto natural – foi o parto de um cocô. Estranho, né? Mas é a mais pura verdade. Eu raramente compro pescoço de peru como meaty bone, porque não dá para oferecer os pescoços inteiros para os frenchies – e cortar aqueles pescoções e barra pesada! Mããããsss, os frenchies amam quando eu compro e ofereço o pescoção picadinho.
O problema é que o Leo amou mais do que deveria… comeu toda a tigela dele (280g) e mais os meaty bones que sobraram dos filhotes. Neste dia, recusou sua porção de carne (que foi devorada pelos filhotes). No dia seguinte, a mesma coisa aconteceu.
Resultado dessa festa? Leo ficou “trancado”.
Só para se ter uma idéia da gravidade da situação, ele e o Tigre estavam soltos juntos e Tigre nem ousou chegar perto dele para impôr a sua soberania (coisa que nunca acontece)… ficou, de longe, observando a cena constrangedora, com cara de piedade. O jeito era fazer o parto do cocô. Calcei minhas luvas odontológicas descartáveis, lambrequei a luva com Nujol e pus-me a observar. A apresentação do corpo era transversa, por isso o nascimento não acontecia, apesar das múltiplas contrações. Como não havia progressão da expulsão, vi que era necessário utilizar uma manobra para mudá-lo para uma posição apropriada. Era o que faltava! A insinuação do corpo ocorreu facilmente e com isso, a descida rápida de todo o conteúdo restante. Nunca vi Leo tão aliviado. Olhou pra mim com a maior cara de alegria, pôs-se a correr, a pular e.. tibum, pisou sobre o corpo e esfarelou-o em milhares de pedacinhos. Tudo virou pó.
Do pó vieste ao pó retornarás.

Meaty bone demais + carne de menos = auau enfezado
(enfezado = repleto de fezes)
ps: Graças a Deus por cães não saberem ler. Leo não me perdoaria por este post.]]>

 

SAIBA TUDO SOBRE OS BULDOGUES FRANCESES!

Clique na imagem e baixe o seu Manual.

 

Receba novidades e conteúdos exclusivos!

QUERO SER VIP

Quer participar do nosso grupo VIP? Cadastre-se!

NÓS APOIAMOS

CAMILLI CHAMONE

Pós-graduada em Genética e Biologia Molecular. Foi professora universitária federal de Biologia Celular e Genética. Criou buldogues franceses. Foi membro efetivo do Conselho Disciplinar do Kennel Clube de Belo Horizonte. Foi Diretora da Federação Mineira de Cinofilia. É editora do "Seu Buldogue Francês", o maior blog do mundo sobre buldogues franceses, e de todas as mídias sociais que levam esse nome. É palestrante e consultora sobre bem-estar e comportamento canino. Além disso tudo, é perdida e irremediavelmente apaixonada por frenchies.

SIGA O SEU BULDOGUE FRANCÊS NAS REDES SOCIAIS

E-mail

seubuldoguefrances@gmail.com

POSTS DO INSTAGRAM

Pin It on Pinterest

Share This